A Catequese do Papa Francisco – 19/10/2016

brasão-papa_-Francisco

CATEQUESE
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Uma das consequências do chamado “bem-estar” é aquela de conduzir as pessoas a se fecharem em si mesmas, tornando-as insensíveis às exigências dos outros. Faz-se tudo para iludir apresentando modelos de vida efêmeros, que desaparecem depois de alguns anos, como se a nossa vida fosse uma moda a seguir e a mudar a cada estação. Não é assim. A realidade deve ser acolhida e enfrentada pelo que é, e muitas vezes nos faz encontrar situações de necessidade urgente. É por isso que, entre as obras de misericórdia, está o chamado à fome e à sede: dar de comer aos famintos – e há tantos hoje – e de beber aos sedentos. Quantas vezes os meios de comunicação nos informam de populações que sofrem com a falta de comida e de água, com graves consequências especialmente para as crianças.

Diante de certas notícias e especialmente de certas imagens, a opinião pública se sente tocada e parte em campanhas de ajuda para estimular a solidariedade. As doações se fazem generosas e deste modo se pode contribuir para aliviar o sofrimento de tantos. Esta forma de caridade é importante, mas talvez não nos envolva diretamente. Em vez disso, quando andando pelo caminho, encontramos uma pessoa em necessidade, ou um pobre vem bater à porta da nossa casa, é muito diferente, porque não estamos mais diante de uma imagem, mas somos envolvidos em primeira pessoa. Não há mais distância alguma entre mim e ele ou ela, e me sinto questionado. A pobreza em abstrato não nos questiona, mas nos faz pensar, nos faz lamentar; mas quando vemos a pobreza na carne de um homem, de uma mulher, de uma criança, isso nos interpela! E por isso, aquele hábito que nós temos de fugir às necessidades, de não nos aproximarmos deles, trocando um pouco a realidade dos necessitados com os hábitos da moda para nos afastarmos deles. Não há mais distância alguma entre mim e o pobre quando cruzo com ele. Nestes casos, qual é a minha reação? Esquivo o olhar e vou além? Ou paro para falar e me interesso pelo seu estado? E se faz isso não faltará quem diga: “Está louco, porque fala com um pobre!”Vejo se posso acolher de algum modo aquela pessoa ou procuro me livrar disso o quanto antes? Mas talvez essa peça somente o necessário: algo para comer e para beber. Pensemos um momento: quantas vezes recitamos o “Pai nosso”, e muitas vezes não damos verdadeiramente atenção a essas palavras: “O pão nosso de cada dia nos dai hoje”.

Na Bíblia, um Salmo diz que Deus é aquele que “dá o alimento a todo vivente” (136, 25). A experiência da fome é dura. Sabe algo quem viveu períodos de guerra ou de fome. No entanto, essa experiência se repete todos os dias e convive próximo à abundância e ao desperdício. São sempre atuais as palavras do apóstolo Tiago: “De que serve, meus irmãos, se uma pessoa diz ter fé, mas não tem as obras? Aquela fé pode talvez salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã está sem vestir-se e desprovido do alimento cotidiano e um de vocês diz a eles: ‘vá em paz, seja aquecido e saciado’, mas não dá a eles o necessário para o corpo, de que serve? Assim também a fé: se não é seguida de obras, é morta em si mesma” (2, 14-17) porque é incapaz de fazer obras, de fazer caridade, de amar. Há sempre alguém que tem fome e sede e precisa de mim. Não posso delegar a outro. Este pobre precisa de mim, da minha ajuda, da minha palavra, do meu empenho. Estejamos todos envolvidos nisso.

É também o ensinamento daquela página do Evangelho em que Jesus, vendo tanta gente que há horas o seguia, pergunta a seus discípulos: “Onde podemos comprar o pão para que possam comer?” (Jo 6,5). E os discípulos respondem: “É impossível, é melhor que tu os deixe…”. Em vez disso, Jesus diz a eles: “Não. Dai a eles vós mesmos de comer” (cfr Mc 14, 16). Faz dar os poucos pães e peixes que tinham consigo, os abençoa, os parte e os distribui a todos. É uma lição muito importante para nós. Isso nos diz que o pouco que temos, se o confiamos às mãos de Jesus e o partilhamos com fé, torna-se uma riqueza abundante.

Papa Bento XVI, na Encíclica Caritas in veritate, afirma: “Dar de comer aos famintos é um imperativo ético para a Igreja universal […] O direito à alimentação, assim como aquele à água, revestem um papel importante para a realização dos outros direitos […] É necessário, portanto, que amadureça uma consciência solidária que conserve a alimentação e o acesso à água como direitos universais de todos os seres humanos, sem distinções nem discriminações” (n. 27). Não esqueçamos as palavras de Jesus: “Eu sou o pão da vida” (Jo 6, 35) e “Quem tem sede venha a mim” (Jo 7, 37). Essas palavras são para todos nós crentes uma provocação a reconhecer que, através do dar de comer aos famintos e de beber aos sedentos, passa a nossa relação com Deus, um Deus que revelou em Jesus sua face de misericórdia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s