Liturgia do Dia – 30/10/2016

Lucas 19, 1-10

“A Palavra Sagrada revela o desejo de Deus:  ele quer salvar a todos.  Quando essa Palavra é acolhida no coração, o milagre da conversão acontece tudo se transforma.  ‘A metade dos meus bens, Senhor, eu dou aos pobres;  e se roubei alguém, vou devolver quatro vezes mais’, disse Zaqueu. Que a Palavra do Senhor alcance nossa vida inteira.”

Primeira leitura:  Sabedoria 11, 22-12,2

Salmo Responsorial:  144

Segunda leitura:  2 Tessalonicenses 1,11-2,2

Evangelho:  Lucas 19, 1-10

-*-

Comecemos nossa meditação da Palavra deste Domingo pelo Evangelho. Aí, a miséria corre para ver a Misericórdia, e sede anseia por encontrar a Fonte, o homem corre para encontrar Deus…

Quem é este Zaqueu, este baixinho ansioso, do Evangelho de hoje? É um publicano – como o homem que rezava compungido no Domingo passado.
Um publicano era um pecador público, cobrador de impostos para os romanos e, por isso, odiado pelos judeus. Os publicanos muitas vezes extorquiam o povo. Talvez fosse o caso de Zaqueu, pois ele “era chefe dos publicanos e muito rico”. Certamente, tanto mais odiado quanto mais rico…

Pois bem, é um homem assim que correu e subiu numa figueira para ver o Senhor. Imaginemos a cena: Zaqueu esquece sua pose, sua respeitabilidade, sua posição. Aquele homem rico devia também ser sozinho, amargurado na sua riqueza, que o tornava um rejeitado por todos e um excluído da comunidade do Povo de Deus.
Zaqueu certamente ouvira falar de Jesus, de Sua misericórdia, de Sua bondade, de Sua mansidão… Não era Ele quem acolhia os pecadores? Não era Ele quem comia com os publicanos? Não tinha Ele um publicano, Mateus, como um dos Doze? Por isso, não hesita em subir numa figueira, não tem medo do ridículo! Quer ver Jesus, nem que fosse às escondidas… Quem dera que fôssemos assim, que não deixássemos o Senhor passar em vão no caminho da nossa vida!
E aí vinha Jesus… O coração de Zaqueu certamente disparou… Jesus vai passando, acompanhado, cercado por uma multidão barulhenta. Aí, então, para surpresa de todos e desespero de Zaqueu, ele para, olha pra cima… Imaginemos os risos, a mangação, a situação de ridículo na qual o pobre Zaqueu encontrou-se!
Mas, Jesus é surpreendente – Ele sempre nos surpreende; Ele é maravilhosamente surpreendente!
“Zaqueu – chama-o pelo nome. Conhecia-o! – Desce depressa! Hoje Eu devo ficar na tua casa!”
Era demais para Zaqueu: o mundo desaparecera; a mangação não tinha nenhuma importância… Naquela hora, naquele momento só existiam Jesus e ele! E Jesus o chamava pelo nome! Enquanto todos o rejeitavam, Jesus, chamava-o pelo nome, como a um amigo, como a um conhecido, e oferecia-Se para Se hospedar na sua casa! “Ele desceu depressa, e recebeu Jesus com alegria”. Contemplemos o amor de Deus, amor misericordioso, que alegra, renova, transforma a existência e dá um novo sentido para a vida!

Qual o resultado desta visita do Senhor, deste acolhimento de Zaqueu? “Senhor, eu dou a metade de meus bens aos pobres, e se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais!”
Zaqueu fizera experiência do amor de Deus, Zaqueu acolhera esse amor, deixara-se amar e, agora, transborda em arrependimento, amor e misericórdia para com os outros!
Que pena que não compreenderam isso, e começaram a murmurar contra Jesus…
Quem dera que da escuta da Palavra deste Domingo aprendêssemos quem é o nosso Deus, como age Seu coração, e como nós deveríamos reagir!
Pensemos no coração de Deus não a partir dos nossos sentimentos mesquinhos, mas a partir das palavras comoventes do Livro da Sabedoria: um Deus tão grande, tão imensamente maior que tudo quanto existe, tão imensamente para lá de tudo quanto possamos imaginar… “Senhor, o mundo inteiro, diante de Ti, é como um grão de areia na balança, uma gota de orvalho da manhã que cai sobre a terra”.
E, no entanto, Ele Se inclina com carinho sobre o mundo: dele cuida, sustenta-o, compadece-Se de Suas criaturas e nos perdoa as loucuras, ingratidões e pecados: “De todos tens compaixão, porque tudo podes. Fechas os olhos aos pecados dos homens, para que se arrependam. Sim, amas tudo o que existe, e não desprezas nada do que fizeste; porque, se odiasses alguma coisa não a terias criado”…
Admirado, o autor sagrado exclama: “A todos Tu tratas com bondade, porque tudo é Teu, ó Senhor, Amigo da vida!” Que título comovente: Amigo da vida!
Um Deus que somente é glorificado na nossa alegria, na nossa vida!
Um Deus que sorri com o sorriso de Zaqueu, um Deus que Se oferece para entrar na casa e no coração de um pecador perdido!
Quem dera que sejamos como Zaqueu; que desejemos vê-Lo, que abramos para Ele a nossa porta, que por Seu amor mudemos nossa atitude, como esse publicano.
São Paulo deseja, na segunda leitura de hoje, que o Nome de Jesus seja glorificado em nós, na nossa vida… Seria, será glorificado, se abrirmos essa nossa vida fechada, mesquinha e cansada para o Senhor. Ele vem a nós cada dia, Ele passa por nós de tantos modos: na Palavra, nos irmãos, nas situações, nos desafios, nos sofrimentos, nas provas…
Quem dera que O reconhecêssemos, como Zaqueu… Saber acolhê-Lo nas Suas vindas é glorificá-Lo agora e preparar-se bem para a Sua Vinda, no fim dos tempos, aquela da nossa união definitiva com Ele, de que fala o Apóstolo na leitura de hoje.
Que o Senhor nos dê a ânsia e a graça que concedeu a Zaqueu. Amém.

Por Dom Henrique Soares da Costa – Bispo Diocesano de Palmares/PE

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s