Liturgia do Dia – 04/12/2016

joao_batista“O Acolhimento da Palavra de Deus pela Comunidade cristã fará surgir uma nova sociedade, alicerçada na justiça e na fraternidade, produzindo harmonia e paz.  A religião verdadeira nos leva a conversão radical de vida.  Essa é a autêntica proposta dos profetas e de Jesus.”

Primeira leitura:  Isaías 11, 1-10

Salmo Responsorial:  71

Segunda leitura:  Romanos 15, 4-9

Evangelho: Mateus 3,1-2

-*-

Meditação para o II Domingo do Advento

Por Dom Henrique Soares da Costa – Bispo Diocesano de Palmares/PE

Queridos irmãos no Senhor, vai o tempo sagrado do Advento avançando, rápido como a nossa vida que passa. Estamos já no segundo Domingo… E hoje, a Palavra Santa traz-nos um anúncio, uma advertência e uma proclamação da bendita e admirável fidelidade do nosso Deus…
Guardemos os três – anúncio, advertência e proclamação -, guardemos os três no nosso coração, para que nos estimulem a caminhar bem no caminho do Cristo que vem ao nosso encontro!
Que o anúncio nos encha de esperança,
a advertência nos corrija e converta
e a proclamação nos faça jubilar em Deus que é fiel!

Iniciemos com o anúncio.
Na primeira leitura, Isaías profeta, oitocentos anos antes de Cristo, apresenta-nos o santo Messias, Aquele que viria ungido com o Espírito do Senhor Deus: “Naqueles dias, nascerá uma haste do tronco de Jessé e, a partir da raiz, surgirá o rebento de uma flor; sobre Ele repousará o Espírito do Senhor”.
Também o Salmo de hoje canta profeticamente esse Ungido de Deus: “Nos Seus dias a justiça florirá e grande paz, até que a lua perca o brilho! De mar a mar estenderá o Seu domínio, e desde o rio até os confins de toda a terra! Libertará o indigente que suplica, e o pobre ao qual ninguém quer ajudar. Terá pena do indigente e do infeliz, e a vida dos humildes salvará.
Lembrai-vos, meus caros, que a palavra Messias quer dizer ungido com o Espírito do Senhor! Sim, sobre o Messias, nascido da velha cepa da casa real de Davi, o filho de Jessé de Belém, repousaria a plenitude do Espírito de Deus, de modo que o santo Messias Salvador seria Aquele que traria consigo a plenitude do Espírito, Espírito que recria, que tudo sustenta e que faz a criação e a história humana caminharem na paz de Deus.
Bendito Messias, prometido por Deus como um presente para Israel e para a humanidade toda! Bendito Messias, que quando fosse acolhido e a quem o acolhesse, traria a toda paz e todo bem!
Não é que o Profeta anunciou? Escutai que palavras: “Trará justiça para os humildes e uma ordem justa para os homens pacíficos; fustigará a terra com a força da sua palavra e destruirá o mau com o sopro dos lábios. Cingirá a cintura com a correia da justiça e as costas com a faixa da fidelidade”. A justiça, a paz, a retidão, o amor… Tudo aquilo, meus caros, quanto é o sonho do coração humano e sozinho o ser humano não pode alcançar, o Santo Messias traria! E quando a humanidade se abrir realmente para Ele, para esse santo Príncipe da paz, “o lobo e o cordeiro viverão juntos e o leopardo deitar-se-á ao lado do cabrito; o bezerro e o leão comerão juntos e até mesmo uma criança poderá tangê-los. A vaca e o urso pastarão lado a lado, enquanto suas crias descansam juntas; o leão comerá palha como o boi; a criança de peito vai brincar em cima do buraco da cobra venenosa; e o menino desmamado não temerá pôr a mão na toca da serpente. Não haverá danos nem mortes por todo o meu santo monte; a terra estará tão repleta do saber do Senhor quanto as águas que cobrem o mar”.

Que anúncio tão consolador, esse do Senhor Deus: virá o Messias, cheio do Espírito Santo, trazendo a paz do Céu, reconciliando-nos com Deus, conosco mesmos, com os demais, com a criação!
Caríssimos em Cristo, nós sabemos que este anúncio não é um simples sonho, uma fantasia sem consistência; sabemos que em Jesus, o Ungido de Deus, este anúncio tornou-se e torna-se sempre realidade. Basta que abramos para ele o nosso coração e a nossa vida.
Vamos, meus caros! Façamos a experiência de acolher Jesus de verdade, e os cordeiros e os leões pastarão juntos, e a terra do nosso coração, da nossa vida, da nossa sociedade estará cheia da sabedoria e da paz do Senhor como as águas enchem o mar!

Depois do anúncio, a advertência: o que o Senhor nos prometeu e cumpriu em Jesus requer nossa resposta, nosso sim, nossa conversão!
João Batista, esse profeta saído do deserto, homem severo, de palavra viva como fogo, que aparece no Evangelho deste hoje, nos previne: “Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo”.
O Reino dos Céus é Jesus, meus irmãos; o Reino dos Céus acontece onde Jesus é acolhido, amado, seguido, vivido! E esse Reino dos Céus está próximo de nós, está em nós, se acolhermos Jesus na nossa vida! Ou o Reino acontece em nós – em mim, em você – ou não acontece! Mas, como poderíamos acolher Jesus sem nos converter a Ele? Pensemos, porque isto tem a nossa fé de misterioso: Jesus é nossa felicidade e nossa paz, mas não podemos acolhê-Lo de verdade sem nos deixarmos a nós mesmos, para abraçá-Lo de verdade na nossa vida, sem lutarmos contra nossos pecados, nossos pedaços ruins! Não se pode ser cristão servindo ao que é mundano, ao que é contrário ao pensamento de Cristo! Chega de cristãos amadores, cristãos descomprometidos, cristãos que dormem no pecado! Diante do Cristo que vem e vem vindo sempre – veio em Belém, vem a cada dia e virá no final dos tempos! – somos chamados a uma tomada de posição, a uma real mudança de vida.
O que nos diz João Batista, esse profeta que não conhece meias palavras? Escutemo-lo: “Raça de cobras venenosas, quem vos ensinou a fugir da ira que vai chegar? Produzi frutos que provem a vossa conversão. O machado já está na raiz das árvores, e toda árvore que não der bom fruto será cortada e jogada no fogo. Aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu. Eu nem sou digno de carregar Suas sandálias. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. Ele está com a pá na mão; Ele vai limpar Sua eira e recolher Seu trigo no celeiro; mas a palha Ele a queimará no fogo que não se apaga”. Eis, meus amados, o nosso Jesus, o nosso santíssimo e doce Salvador é bom – é todo o nosso Bem -, é misericórdia, é amor, mas não é bonzinho! Diante Dele é preciso decisão, diante da Sua vinda é preciso conversão verdadeira!
É esta a grave advertência que as Sagradas Escrituras hoje nos fazem! Não brinquemos, não façamos pouco da correção do Senhor!

Finalmente, depois do anúncio e da advertência, uma proclamação admirável: em Jesus, todas as promessas de Deus se cumpriram!
Ele é o sim de Deus para nós,
Ele é o rosto de Deus feito visível,
é o amor de Deus que nos abraça,
é o coração de Deus que nos acolhe.
São Paulo nos diz, na segunda leitura deste Domingo, que tudo quanto foi escrito no Antigo Testamento, foi ali colocado para nossa edificação e instrução: escutando as promessas de Deus, vendo como Deus agiu e como tudo se cumpriu em Jesus nosso Senhor, devemos nos encher de confiança, de constância, de consolação, sabendo que o Deus que nos chamou é fiel!

Permaneçamos firmes na fé, meus irmãos; alicercemos nossa vida e esperança na palavra das Santas Escrituras que nos falam de Jesus e nos trazem a luz de Jesus. Deus é fiel; Ele nunca nos abandonará!
Vede como Ele age: enviou o Filho Jesus para cumprir o que tinha prometido ao Povo de Israel, pois “Cristo tornou-Se servo dos que praticam a circuncisão, isto é, dos judeus, para honrar a veracidade de Deus, confirmando as promessas feitas aos pais”.
E mais ainda: enviou o Messias Jesus para formar o novo Israel, a Igreja, na qual os pagãos pudessem pela conversão encontrar o Deus verdadeiro e glorificá-Lo, tendo Nele a salvação. É isto que afirma o Apóstolo: “Quanto aos pagãos, eles glorificam a Deus, em razão da Sua misericórdia, como está escrito: ‘Por isso, Eu Vos glorificarei entre os pagãos e cantarei louvores ao Vosso Nome’”. Somos nós, os que antes não tinham Deus nem esperança no mundo, nós os descendentes de pagãos idólatras e agora, em Cristo, feitos novo Povo de Deus, verdadeiro Israel, santa Igreja de Cristo!

Caríssimos, diante da bondade e da fidelidade do nosso Deus, revelada no Cristo que vem, convertamo-nos! Vivamos intensamente este santo Advento! Estejamos atentos à exortação de João Batista no Evangelho de hoje e acolhamos o Senhor que vem a nós no dia a dia, que mais uma vez vem a nós na graça do Natal, que vem a nós em tantos acontecimentos, tantas situações, tantas pessoas; acolhamo-Lo agora para podermos permanecer de pé diante do Cristo Senhor quando Ele vier na Sua glória! Amém.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s