A Catequese do Papa Francisco – 04/01/2017

brasão-papa_-Francisco

CATEQUESE
Sala Paulo VI – Vaticano
Quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Na catequese de hoje, gostaria de contemplar com vocês uma figura de mulher que nos fala da esperança vivida no pranto. A esperança vivida no pranto. Trata-se de Raquel, a esposa de Jacó e a mãe de José e Benjamin, aquela que, como conta o Livro do Gênesis, morre ao dar à luz ao seu segundo filho, isso é, Benjamin.

O profeta Jeremias faz referência a Raquel dirigindo-se aos israelitas no exílio para consolá-los, com palavras cheias de emoção e de poesia; isso é, toma o pranto de Raquel mas dá esperança:

“Eis o que diz o Senhor:
ouve-se em Ramá uma voz,
lamentos e amargos soluços.
É Raquel que chora os filhos,
recusando ser consolada, porque já não existem” (Jer 31, 15).

Nestes versículos, Jeremias apresenta esta mulher do seu povo, a grande matriarca da sua tribo, em uma realidade de dor e pranto, mas junto com uma perspectiva de vida impensada. Raquel, que no relato do Gênesis morreu no parto e tinha assumido aquela morte para que o filho pudesse viver, agora, em vez disso, representada pelo profeta como viva em Ramá, ali onde se reuniam os deportados, chora pelos filhos que em um certo sentido são mortos indo ao exílio; filhos que, como ela mesma disse, “já não existem mais”, desapareceram para sempre.

E por isso Raquel não quer ser consolada. Esta recusa exprime a profundidade da sua dor e a amargura do seu pranto. Diante da tragédia da perda dos filhos, uma mãe não pode aceitar palavras ou gestos de consolo, que são sempre inadequadas, mas capazes de aliviar a dor de uma ferida que não pode e não quer ser curada. Uma dor proporcional ao amor.

Toda mãe sabe tudo isso; e são tantas, também hoje, as mães que choram, que não se conformam com a perda de um filho, inconsoláveis diante de uma morte impossível de aceitar. Raquel personifica em si a dor de todas as mães do mundo, de todo tempo, e das lágrimas de todo ser humano que chora perdas irreparáveis.

Esta recusa de Raquel que não quer ser consolada nos ensina também quanta delicadeza nos é pedida diante da dor dos outros. Para falar de esperança a quem está desesperado, é preciso partilhar o seu desespero; para enxugar uma lágrima da face de quem sofre, é preciso unir ao seu o nosso pranto. Só assim as nossas palavras podem ser realmente capazes de dar um pouco de esperança. E se não posso dizer palavras assim, com o pranto, com a dor, melhor o silêncio; o carinho, o gesto e nada de palavras.

E Deus, com a sua delicadeza e o seu amor, responde ao pranto de Raquel com palavras verdadeiras, não falsas; assim prossegue o texto de Jeremias:

“Eis o que diz o Senhor:
Cessa de gemer, enxuga tuas lágrimas!
Tuas penas terão a recompensa – oráculo do Senhor.
Voltarão (teus filhos) da terra inimiga.
Desponta em teu futuro a esperança – oráculo do Senhor.
Teus filhos voltarão à sua terra”. (Jer 31, 16-17).

Justamente pelo choro da mãe, há ainda esperança para os filhos, que voltarão a viver. Esta mulher, que tinha aceitado morrer, no momento do parto, para que o filho pudesse viver, com o seu pranto é agora princípio de vida nova para os filhos exilados, prisioneiros, distantes da pátria. À dor e ao pranto amargo de Raquel, o Senhor responde com uma promessa que agora pode ser para ela motivo de verdadeiro consolo: o povo poderá voltar do exílio e viver na fé, livre, a própria relação com Deus. As lágrimas geraram esperança. E isso não é fácil de entender, mas é verdade. Tantas vezes, na nossa vida, as lágrimas semeiam esperança, são sementes de esperança.

Como sabemos, este texto de Jeremias é depois retomado pelo evangelista Mateus e aplicado ao massacre dos inocentes (cfr 2, 16-18). Um texto que nos coloca diante da tragédia do assassinato de seres humanos indefesos, do horror do poder que despreza e suprime a vida. As crianças de Belém morrem por causa de Jesus. E Ele, cordeiro inocente, seria depois morto, por sua vez, por todos nós. O Filho de Deus entrou na dor dos homens. Não se pode esquecer isso. Quando alguém se dirige a mim e me faz perguntas difíceis, por exemplo: “Diga-me, padre, por que as crianças sofrem?”, realmente, eu não sei o que responder. Somente digo: “Olha para o crucifixo: Deus nos deu o seu Filho, Ele sofreu, e talvez ali encontrarás uma resposta”. Mas respostas daqui [mostra a sua cabeça] não há. Somente olhando para o amor de Deus que dá seu Filho que oferece a sua vida por nós, pode indicar qualquer caminho de consolação. E por isso dizemos que o Filho de Deus entrou na dor dos homens; partilhou e acolheu a morte; a sua Palavra é definitivamente palavra de consolo, porque nasce do pranto.

E na cruz será Jesus, o Filho que irá morrer, a dar uma nova fecundidade à sua mãe, confiando-a ao discípulo João e tornando-a mãe do povo crente. A morte foi vencida e alcançou, assim, o cumprimento da profecia de Jeremias. Também as lágrimas de Maria, como aquela de Raquel, geraram esperança e vida nova. Obrigado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s