Liturgia do Dia – 06/08/2015

marcos 9, 2-10“Este é meu Filho amado.  Escutai o que Ele diz: ‘A luz de Cristo que brilhou no monte Tabor deve reacender nossa esperança de vida.  Só nele encontramos a vida, a redenção.”

Primeira leitura:  Deuteronômio 7, 9-10.13-14 ou 2Pedro 1, 16-19

Salmo Responsorial:  96

Evangelho:  Marcos 9, 2-10

A Catequese do Papa Francisco – 05/08/2015

brasão-papa_-Francisco

CATEQUESE
Sala Paulo VI – Vaticano
Quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Com esta catequese retomamos a nossa reflexão sobre família. Depois de ter falado, da última vez, das famílias feridas por causa da incompreensão dos cônjuges, hoje gostaria de parar a nossa atenção sobre outra realidade: como cuidar daqueles que, após o fracasso irreversível do seu laço matrimonial, assumiram uma nova união.

A Igreja sabe bem que tal situação contradiz o sacramento cristão. Todavia, o seu olhar de mestre parte sempre de um coração de mãe; um coração que, animado pelo Espírito Santo, busca sempre o bem e a salvação das pessoas. Eis porque sente o dever, “por amor da verdade”, de “bem discernir as situações”. Assim se expressava São João Paulo II, na Exortação Apostólica Familiaris consortio (n.84), levando como exemplo a diferença entre quem sofreu a separação e quem a provocou. É preciso fazer esse discernimento.

Se depois olhamos também para estes novos laços com os olhos dos filhos pequenos – e os pequenos olham – com os olhos das crianças, vemos ainda mais a urgência de desenvolver nas nossas comunidades um acolhimento real para com as pessoas que vivem tais situações. Por isso, é importante que o estilo da comunidade, a sua linguagem, as suas atitudes, estejam sempre atentas às pessoas, a partir dos pequenos. Eles são aqueles que sofrem mais, nestas situações. De resto, como podemos recomendar a estes pais que façam de tudo para educar os filhos à vida cristã, dando a eles o exemplo de uma fé convicta e praticada, se os mantemos à distância da vida da comunidade, como se fossem excomungados? Deve-se certificar de não atribuir outros pesos àqueles que os filhos, nestas situações, já estão tendo que carregar! Infelizmente, o número destas crianças é realmente grande. É importante que elas sintam a Igreja como mãe atenta a todos, sempre disposta à escuta e ao encontro.

Nestas décadas, em verdade, a Igreja não ficou insensível nem preguiçosa. Graças ao aprofundamento realizado por pastores, guiados e confirmados por meus predecessores, cresceu muito a consciência de que é necessário um fraterno e atento acolhimento, no amor e na verdade, para com os batizados que estabeleceram uma nova convivência depois do fracasso do matrimônio sacramental; de fato, estas pessoas não foram excomungadas: não são excomungadas! E não devem absolutamente ser tratadas como tal: elas fazem sempre parte da Igreja.

Papa Bento XVI interveio sobre tal questão, solicitando uma atitude de discernimento e um sábio acompanhamento pastoral, sabendo que não existem “receitas simples” (Discurso no VII Encontro Mundial das Famílias, Milão, 2 de junho de 2012, resposta n.5).

Daqui o repetido convite aos pastores a manifestar abertamente e coerentemente a disponibilidade da comunidade em acolhê-los e a encorajá-los, para que vivam e desenvolvam sempre a sua pertença a Cristo e à Igreja com a oração, a escuta da Palavra de Deus, com a frequência à liturgia, com a educação cristã dos filhos, com a caridade e o serviço aos pobres, com o empenho para a justiça e a paz.

O ícone bíblico do Bom Pastor (Jo 10, 11-18) resume a missão que Jesus recebeu do Pai: aquela de dar a vida pelas ovelhas. Tal atitude é um modelo também para a Igreja, que acolhe os seus filhos como uma mãe que doa a sua vida por eles. “A Igreja é chamada a ser sempre a casa aberta do Pai […]” – Nada de portas fechadas! Nada de portas fechadas! – “Todos podem participar de alguma forma da vida eclesial, todos podem fazer parte da comunidade. A Igreja […] é a casa paterna onde há lugar para cada um com a sua vida difícil” (Exort. Ap. Evangelii gaudium, n. 47).

Do mesmo modo, todos os cristãos são chamados a imitar o Bom Pastor. Sobretudo as famílias cristãs podem colaborar com Ele cuidando das famílias feridas, acompanhando-as na vida de fé da comunidade. Cada um faça a sua parte em assumir a atitude do Bom Pastor, que conhece cada uma das suas ovelhas e nenhuma exclui do seu infinito amor!

Liturgia do Dia – 05/07/2015

mateus 15,21-28“Deus nos oferece todos os dias um grande Amor: sua Palavra! Acolhendo-a  cresce em nós a esperança e a comunhão com Deus e com os irmãos.  É Jesus a Palavra eterna de amor que o Pai nos dá.”

Primeira leitura:  Números 13, 1-2.25-14, 1.26-30.34-35

Salmo Responsorial:  105, 6-23

Evangelho:  Mateus 15, 21-28

Sobre o Amor a Jesus Cristo

jesus sumo sacerdoteToda santidade e perfeição consiste no amor a Jesus Cristo, nosso Deus, nosso sumo bem e nosso redentor. É a caridade que une e conserva todas as virtudes que tornam o homem perfeito.

Será que Deus não merece todo o nosso amor? Ele nos amou desde toda a eternidade. “Lembra- te, ó homem, – assim nos fala – que fui eu o primeiro a te amar. Tu ainda não estavas no mundo, o mundo nem mesmo existia, e eu já te amava. Desde que sou Deus, eu te amo”.

Deus, sabendo que o homem se deixa cativar com os benefícios, quis atraí-lo ao seu amor por meio de seus dons. Eis por que disse: “Quero atrair os homens ao meu amor com os mesmos laços com que eles se deixam prender, isto é, com os laços do amor”. Tais precisamente têm sido todos os dons feitos por Deus ao homem. Deu-lhe uma alma dotada, à sua imagem, de memória, inteligência e vontade; deu-lhe um corpo provido de sentidos; para ele criou também o céu e a terra com toda a multidão de seres; por amor do homem criou tudo isso, para que todas as criaturas servissem ao homem e o homem, em agradecimento por tantos benefícios, o amasse.

Mas Deus não se contentou em dar-nos tão belas criaturas. Para conquistar todo o nosso amor, foi ao ponto de dar-se a si mesmo totalmente a nós. O Pai eterno chegou ao extremo de nos dar seu único Filho. Vendo-nos a todos mortos pelo pecado e privados de sua graça, que fez ele? Movido pelo imenso, ou melhor – como diz o Apóstolo – pelo seu demasiado amor, enviou seu amado Filho, para nos justificar e nos restituir a vida que havíamos perdido pelo pecado.

Ao dar-nos o Filho, a quem não poupou para nos poupar, deu-nos com ele todos os bens: a graça, a caridade e o paraíso. E porque todos estes bens são certamente menores do que o Filho, Deus, que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos daria tudo junto com ele? (Rm 8,32).

Das Obras de Santo Afonso Maria de Ligório, bispo

(Tract. De praxi amandi Iesum Christum, edit. latina, Romae 1909, pp.9-14)

(Séc.XVII)

Liturgia do Dia – 04/08/2015

mateus 14, 22-36“É fácil subestimar os outros; o mais exigente é reconhecer o bem que fazem.  Querer ser o primeiro é atitude contrária a fé. É na intimidade de Deus que vencemos o medo e superamos nossos desejos egoístas.”

Primeira leitura: Números 12, 1-13

Salmo Responsorial:  50

Evangelho: Mateus 14, 22-36

4º Encontro de Blogueiros Católicos

eblog 4 - BANNER_WEB

No próximo dia 22 de agosto, sábado, acontecerá o 4º Encontro de Blogueiros Católicos da Arquidiocese do Rio de Janeiro, na Paróquia Nossa Senhora da Esperança, que fica na Rua Conde de Irajá, 465, Botafogo, das 9 às 16 horas. Você não pode perder!
Com o tema “O desafio de ser Igreja em saída” o encontro contará com a presença do Monsenhor Joel Portela, que falará aos presentes sobre a missão dos blogueiros em difundir os valores cristãos, ainda que seus canais versem sobre temas diversos dos religiosos.
Também estará conosco o publicitário Marco Cazumba que ministrará palestra sobre Marketing de Conteúdo, abordando pontos essenciais para o bom desempenho dos blogs nas mídias sociais, com destaque aos aspectos que precisam ser levados em consideração para manter-se fiel os valores cristãos.
As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pelo link: http://goo.gl/092FI4

Participem e ajudem na divulgação!

Traga um lanche a ser partilhado.

Liturgia do Dia – 02/08/2015

João 6, 24-35“O Senhor alimentou o povo no deserto com o pão vindo do céu.  Agora Jesus anuncia que Ele é o verdadeiro pão do céu, porque, através dele, não será apenas alimentado o corpo, mas também o espírito, para a salvação eterna.  E, São Paulo, nos pede: ‘Despojai-vos do homem velho.  Revesti-vos do homem novo, criado à imagem e semelhança de Deus.'”

Primeira leitura: Êxodo 16, 2-4.12-15

Salmo Responsorial:  77

Segunda leitura:  Efésios 4, 17.20-24

Evangelho:  João 6, 24-35

Programação do Círio de Nazaré – RJ

cirio de nazareO Círio de Nazaré, uma das maiores manifestações religiosas em homenagem a Nossa Senhora está chegando ao Rio de Janeiro. De 31 de julho a 2 de agosto, a imagem peregrina da Virgem de Nazaré visitará Igrejas, instituições, centros culturais e até a cracolândia, levando esperança também a todos aqueles que vivem nas periferias existenciais.

Para homenagear a Padroeira dos paraenses, a Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro elaborou uma intensa programação, que também incluirá uma passagem pela Arquidiocese de Niterói. Esta é a sétima edição do Círio de Nazaré na cidade, trazido ao Rio pelo Cardeal Arcebispo, Dom Orani João Tempesta, que por quatro anos foi Arcebispo de Belém do Pará.

O Círio de Nazaré ocorre tradicionalmente no segundo domingo de outubro em Belém do Pará e, neste ano de 2015, trará como tema: “Maria, Mulher Eucarística”. Confira abaixo a programação do Círio na Arquidiocese do Rio.

PROGRAMAÇÃO

Sexta-feira, dia 31 de julho

9h – Recepção na Pérgola da Base Aérea do Galeão

10h15min – Deslocamento da Imagem Peregrina para a Arquidiocese de Niterói

11h – Chegada em Niterói

12h – Ângelus

12h30min – Retorno da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré para a Arquidiocese do Rio de Janeiro

13h30min – Visita ao Edifício João Paulo II

15h – Visita a Dufry do Brasil

16h – Deslocamento Marítimo para ilha de Paquetá

Sábado, dia 1º de agosto

7h – Visita ao Ceasa – Irajá

8h – Concentração e oração no espaço celebrativo do Cemitério de Irajá

8h40min – Saída em procissão para a Igreja Nossa Senhora da Apresentação

9h – Missa (Rio Celebra) na Igreja Nossa Senhora da Apresentação: Praça Nossa Senhora da Apresentação, 272 – Irajá

11h15min – Casa Nossa Senhora de Belém, Rua Edgar Werneck – Freguesia

12h – Ângelus na Casa Nossa Senhora de Belém

13h – Capela Nossa Senhora de Nazaré, Rua São Marcelo, 15 – Camorim

16h30min – Paróquia Jesus de Nazaré, Rua Ivanildo Alves, 83 – Parque Maré – Bonsucesso

18h – Visita a Cracolândia

19h30min – Missa na Igreja Nossa Senhora de Nazaré, Praça Nossa Senhora de Nazaré – Anchieta

Domingo, dia 2 de agosto

7h – Café da manhã com a População de Rua, na Catedral Metropolitana de São Sebastião

8h – Missa transmitida pela TV Brasil

10h – Círio em Copacabana, concentração Forte do Leme até a Avenida Princesa Isabel

12h30min – Homenagem do Centro de Tradições Nordestinas (Feira de São Cristóvão)

15h – Terço na Capela Nossa Senhora de Nazaré, Praça Amazônia, Cacuia, Ilha do Governador

17h – Mini-Círio e Missa presidida por Dom Orani na Igreja Santos Mártires Ugandenses e Nossa Senhora de Nazaré, Rua Guaiúba, 130 – Acari

Nós aceitamos o desafio!

Os católicos americanos fizeram uma campanha pelas redes sociais convocando católicos do mundo inteiro para num dia determinado quando saíssem às ruas (para o trabalho, a escola, o mercado, ou mesmo passear) rezando o terço.  O resultado foi impressionante, pelo número de pessoas que demonstraram publicamente seu amor por Nossa Senhora.  No Brasil, foi escolhida a data de hoje 29 de julho.  E você? Aceita o desafio?

Compartilhe!

campanha reze o terço

Liturgia do Dia – 26/07/2015

joão 6, 1-15“O amor verdadeiro nos faz partilhar.  A partilha gera a vida.  Se há fome no mundo, é sinal de que ainda não há partilha suficiente.  Jesus partilhou conosco a vida, o amor e a misericórdia, ensinando-nos a ter as mesmas atitudes dele.”

Primeira leitura:  2Reis 4, 42-44

Salmo Responsorial:  144

Segunda leitura:  Efésios 4, 1-6

Evangelho:  João 6, 1-15